As Pop Up Stores chegaram para não ficar...A nova moda é abrir e fechar.

Por | quarta-feira, setembro 08, 2010 Deixe um comentário
Lojas temporárias que atraem o consumidor pelo curto prazo de duração e por meio de intervenções artísticas começam a fazer sucesso no país.
Assim funciona: poucos dias ou meses são suficientes para uma loja ganhar vida. Além disso, ela não exige continuidade, diferentemente de uma loja itinerante

O que define o conceito de uma pop up store é a possibilidade de explorar um lugar com determinada concentração momentânea de público, segundo Alberto Serrentino, sócio sênior da consultoria GS&MD Gouvêa de Souza. De acordo com ele, a capacidade de captar os momentos e de interpretar oportunidades vale mais do que o produto em si: “A loja tem de fazer a pessoa ir por acreditar que há algo a mais, que se ela não conhecer, visitar e usufruir, acaba logo”, diz Alberto. Em 2003, a ADIDAS abriu a primeira Pop Up Store em NY, que funcionou por 2 semanas. A loja ficava no subsolo e vendia itens de produção limitada.

Já há alguns anos, lojas temporárias de grandes marcas como a Gucci, Prada e a americana Target com Anna Sui realizam ações do tipo em metrópoles espalhadas pelo mundo.

 A Gucci-Icon Temporary Shop foi inaugurada em Nova York às 10h do dia 24 de outubro de 2009 sem nenhuma intenção de permanecer por muito tempo, a loja ocupou quatro andares de um prédio e teve duração de apenas três dias.

A estilista Anna Sui criou uma coleção exclusiva para a rede de lojas Target, inspirada no estilo das garotas da série de TV Gossip Girl, antes de completar duas semanas, a Target já esperava esgotar seus produtos e fechar a loja Pop up.

 Os desenhos e as cores em neon na loja pop up da Reebok evocam o estilo dos anos 80

A Prada acabou de montar a sua em Paris e é visita imperdível. Só pretende ficar aberta por 4 meses.

No Brasil, uma das marcas esportivas a investir no conceito Pop Up Store foi a Nike, que em maio deste ano, inaugurou sua loja Canarinho na Galeria do Rock, em São Paulo. Criada e desenvolvida totalmente no país, a ação durou 60 dias e teve como objetivo a valorização da cultura do futebol. Chamar a atenção por meio de temas específicos, shows e exposições também costuma fazer parte de uma pop up store. Alberto Serrentino alerta, porém, para o perigo desse diferencial: “O ideal é que você não se repita nas ações, porque senão elas ficam óbvias, previsíveis”.


Outro exemplo no Brasil é a Casa de Criadores na antiga loja Cavalera em São Paulo. O jornalista e empresário André Hidalgo que trabalha diariamente com conceitos artísticos de moda, nem por isso esquece o lado comercial das roupas criadas pelos 25 estilistas que compõem o time da Casa de Criadores, "evento" idealizado por ele que, anualmente, apresenta ao mercado novos talentos do design de moda. Para divulgar o nome do evento e tornar os preços das peças mais acessíveis, Hidalgo resolveu abrir a Casa de Criadores Loja Pop Up no bairro paulistano dos Jardins, em parceria com Alberto Hiar, sócio da marca Cavalera. Inaugurada em outubro, a loja conta com espaço para exposições de arte e apresentações musicais e tem previsão de ficar instalada somente por seis meses. “Hoje em dia é difícil fazer algo totalmente novo. O novo fica por conta da maneira como você interpreta e de como se oferece isso para o público." diz André Hidalgo. O grande lance da Casa de Criadores Loja Pop Up é ter a curadoria da Casa de Criadores por trás”.


Para André Hidalgo, o empreendimento temporário é também uma oportunidade de testar o potencial comercial de cada estilista: “A vantagem da loja pop up é que ela é um grande balão de teste com riscos muito menores que os de uma loja definitiva”, afirma. Foram investidos cerca de R$ 250 mil na loja, que levou apenas três meses para ficar pronta. O faturamento mensal previsto é de R$ 100 mil, mas Hidalgo acredita que o maior ganho está na própria estratégia de divulgação, já que as pop up stores podem ser uma ação de varejo, marketing ou híbrida até, segundo Serrentino: “O retorno de uma ação pode vir de uma venda muito boa ou da divulgação da marca, tudo depende da estratégia”.

A Casa de Criadores Loja Pop Up conta com espaço para exposições de arte e apresentações musicais.

Outro desafio na hora de abrir uma loja pop up está na locação de um imóvel por pouco tempo. Apesar de ter aproveitado os três andares da antiga Loja Cavalera, no bairro dos Jardins, em São Paulo, André Hidalgo costuma encontrar dificuldades para alugar um espaço nos eventos da Casa de Criadores. Mesmo com bugdet em torno de R$ 60 mil para os 15 dias de exposição, são comuns situações em que o proprietário prefere continuar com o imóvel fechado. Mas o empresário prevê mudanças: “As pessoas vão começar a enxergar como uma oportunidade de renda rápida, fácil e sem grandes riscos”, acredita ele.

Temos ainda no Brasil, a Cupcake no Rio de Janeiro:

e em Belo Horizonte:

A Misturinha no Market Place em São Paulo:

e a Branchée na loja Canela também no Rio de Janeiro:

Milan Kundera na sua obra "A Lentidão" estipula duas equações elementares:
" O grau da lentidão é diretamente proporcional à intensidade da memória; o grau de velocidade é diretamente proporcional à intensidade do esquecimento.”  

 Talvez seja neste conceito que se encaixem as "Pop up stores".

Penso que a iniciativa, a criatividade e a disposição para o risco é o que tornam uma tentativa de fazer algo "um pouco velho" ser um "novo grande sucesso".